Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ondas3

Blogue de informação e reflexão sobre temas ambientais. Desde Janeiro 2004, porque só os peixes mortos seguem com a corrente.

Blogue de informação e reflexão sobre temas ambientais. Desde Janeiro 2004, porque só os peixes mortos seguem com a corrente.

Ondas3

14
Ago09

Reflexão

OLima

Um novo tipo de colonialismo avassala o mundo, com os ricos a tomarem posse de terras em países pobres e famintos para produzirem alimentos de que necessitam em troca de alegados empregos e investimentos em infraestruturas, escreve o The Independent,  de Domingo, 9 de Agosto. Tudo através de acordos secretos com os governos locais. A multinacional sul-coreana Daewoo, que adquiriu meia Bélgica no Madagascar, é apenas uma de 100 casos que aconteceram nestes últimos 12 meses. A situação é tão grave que Jacques Diouf,  da FAO, já alertou os líderes mundiais para este sistema neocolonislista. É que países do Golfo como a Arábia Saudita, o Bahrain, o Kuwait, Oman e Qatar não páram de adquirir terras no Brasil, na Rússia, no Casaquistão, na Ucrânia, no Egipto, na Etiópia, nos Camarões, no Uganda, na Zâmbia e no Cambodja. A China, a Coreiado Sul e a Índia têm comprado terras na Etiópia e no Quénia. Empresas britânicas, americanas e alemãs como a Flora Ecopower compraram terras na Tanzania e na Etiópia para produzirem biocombustíveis. Uma empresa norieguesa arroga-se o direito de abater enormes manchas florestais no Gana para cultivar jatrofa como biocombustível. E que dizer do acordo entre Moçambique e a China, que envolve o povoamento de 10.000 chineses em troca de ajuda militar.
Imagine que a China, após negociações com um governo português ávido de dinheiro para cobrir a crise, comprava o Alentejo e colonizava-o com trabalhadores chineses, transformando o território num imenso campo de arroz e que enviava toda essa produção de arroz, durante 100 anos, para a China. Imagine que os portugueses, os media, de nada sabiam, que se contentavam com alegadas promessas de melhoramentos em estradas e empregos. Como se sentiria? Que dirão opinadores como António Vitorino, Luís Delgado, Pacheco Pereira, Miguel Sousa Tavares e quejandos?

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Raízes

Troncos

Ramos

Folhas

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D